Foi encerrada a "1ª pesquisa sobre o uso do PostgreSQL no Brasil". Foram ao todo 164 pesquisas respondidas entre os dias 17/06/2009 e 01/07/2009. A pesquisa não possui um recorte estatístico no sentido de representar o universos de empresas brasileiras que utilizam bancos de dados, mas sim uma pesquisa de resposta espontânea sobre usuários de PostgreSQL que acompanham um pouco o universo da comunidade brasileira. Para ilustrar o fato, segue que mais de 50% das respostas foram preenchidas nos 3 primeiros dias da pesquisa, quando a única divulgação ocorreu neste site e na lista PGBR-Geral.

De qualquer forma é um termômetro sobre os usuários que estão mais próximos da comunidade. Conforme prometido, estamos publicando apenas o resumo das informações, sem identificar nenhuma empresa. Apesar disto, algumas empresas foram contactadas para checar informações. Desta forma houve sim uma tentativa de trazer informações criveis sobre o uso do PostgreSQL em ambientes de produção no Brasil.

As informações apresentadas aqui são superficiais e não apresentam cruzamentos estatísticos devido ao pequeno volume de pesquisas coletadas. Para se realizar cruzamentos estatísticos com uma margem de erro menor, seriam necessário um volume de quase o dobro de respostas obtidas. Mesmo assim, ouso fazer algumas inferências sobre os resultados:

  • Já existe um parque sólido de usuários de PostgreSQL com mais de 70% das empresas com ambientes em produção há pelo menos 2 anos.
  • Os maiores concorrentes do PostgreSQL são o SQL Server (10%) e o Oracle (9%) e não o MySQL (5%).
  • O PostgreSQL está em produção em diversos tipos de aplicação, mostrando um número significativo de casos com PostGIS e aplicações científicas também. Curiosamente, as aplicações Web são as mais populares no uso do PostgreSQL;
  • 2,4% possuem mais de 1TB em produção. Do outro lado, 30% possuem base com menos de 1GB. Isto reflete muito o perfil das empresas que responderam a pesquisa como consta a seguir;
  • 59% possuem um parque modesto de servidores com até 5 servidores;
  • 88% das empresas utilizam Linux, 45% utilizam Windows e 10% utilizam FreeBSD em seus servidores;
  • O porte das empresas apresentou uma distribuição bastante uniforme, tendo quase a mesma proporção de empresas pequenas, médias e grandes;
  • 38% são empresas de Desenvolvimento de Software. Isto faz sentido uma vez que estas são as empresas que acompanham mais as notícias no setor de TI. Isto pode nos levar a crer que existe muita gente utilizando PostgreSQL, pois são clientes destes. O setor público corresponde a 27% das respostas;
  • 40% das empresas não possuem nenhum funcionário com a atribuição exclusiva de Administrador de Bancos de Dados (DBA) e 57% não possuem um Administrador de Dados (DA);

Esta foi uma primeira tentativa de traçar um perfil dos usuários de PostgreSQL no Brasil. Espero repetir a pesquisa daqui a um ano para compararmos os resultados. Sugestões para melhorar a pesquisa são sempre bem vindos.

Resultado da pesquisa sobre uso do PostgreSQL no Brasil en Julho de 2009